quinta-feira, 1 de março de 2012

Nutricionistas!

     
    Já perceberam como tem nutricionistas em nosso país?      
Diariamente, em quase todos o canais de televisão, uma especialista da nutrição, esclarece o público com as mais variadas sugestões, sobre o que devemos ou não consumir.


    Graças a essas insistentes aparições, somos obrigados a aprender uma nova "linguagem nutrimental"- novos vocábulos- como: licopeno, ômega3, flavonoides,gordura trans, ácido fólico, proteínas, carboidratos e muitos outros...




    Como diz um velho ditado: "água mole em pedra dura, tanto bate até que fura", resolvi consultar uma nutricionista.  Preciso saber se estou com falta de alguns nutrientes; se não estou desnutrido, ingerindo poucas fibras,  ou seja: carente de uma alimentação balanceada, indicada à minha idade!


    Será que nossos avós e nossos pais - que viveram saudáveis até os 90 anos - alimentavam-se corretamente?



    Vejamos:  Eu e meus seis irmãos fomos criados num belo sítio de sete alqueires. Lá eram produzidos  quase todos os nutrientes disponíveis para nosso sadio desenvolvimento: leite ao pé da vaca,  gordura de porco,  todas as verduras e legumes,  açúcar de rapadura, pães caseiros,  arroz, feijão, café, milho, mandioca e derivados... Abacaxi, goiaba, abacate, banana e jataí. Sem contar as que trocávamos com nossos  vizinhos: fruta do conde, mexerica, manga, jabuticaba, mamão, figo, amora... Aves e ovos em abundância!  Todos os alimentos eram cozidos em panelas de ferro,  sobre um fogão a lenha!




     Jamais se utilizava de  adubos ou agrotóxicos na produção de: arroz, café, cana de açúcar, feijão... Nas hortaliças, só esterco bovino!


    O arroz e o café eram descascados no pilão, onde  o milho era transformado em "quirera", para alimentar as aves jovens!
Plantação de arroz.


    Quando nossa mãe torrava o café, o cheiro delicioso se espalhava!  Sabíamos de longe, quando o pão estava assado,   ou o bolo saía do forno!
    
    Hoje, fecho os olhos e com saudade relembro o chão da cozinha - de piso "vermelhão" da cor do fogão - e acima dele, os varais de:  linguiça, pernil e costelas de porco a defumar!  Outros pedaços de carne eram previamente cozidos e conservados na gordura dentro de latas bem fechadas.  O feijão, frequentemente,  era enriquecido com pedaços de abóbora, torresmos...




    O leite produzido por duas vacas era suficiente ao  consumo diário e ainda sobrava para fazer: queijo, manteiga e coalhada! 


    Para gerar todos esses alimentos para a família,  cuidar com carinho da terra e dos animais,  incrivelmente, contávamos somente com meu pai e minha mãe!  Na época da colheita do arroz e café, os vizinhos ajudavam-se mutuamente. Pequenas tarefas eram confiadas aos filhos desde cedo!
Horta orgânica - hábito antigo!


    A imagem que trago na memória, é de pessoas coradas, alegres, festivas,  
diferente da palidez das nutricionistas televisivas, que sem o menor conhecimento de como são produzidas  as hortaliças, legumes e frutas, tentam nos ensinar o que há muito tempo já sabíamos!  

     As imagens publicadas nesta  postagem foram obtidas Aqui.

    "Não vivemos para comer, mas comemos para viver". Sócrates.


    "Trabalhou para viver; depois, para viver, porque o coração necessita de alimento, amou". Victor Hugo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é o que torna especial esta postagem. Enriquece sobremaneira o conteúdo!
Lembrando Saint Éxupery:"Aqueles que passam por nós, não vão sós. Não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós".
Obrigado pela visita!
Abraços!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. AVISO LEGAL Todos os direitos reservados. Esta coletânea de textos e imagens são propriedades do autor e estão protegidos por direitos de propriedade intelectual, que não podem ser utilizados em qualquer meio ou formato sem a autorização do autor. Vitorio Nani - 12/06/2010.