quarta-feira, 14 de março de 2012

"Os mascates".

Imigrante italiano no Brasil.
    A pequena propriedade da nossa família - um sítio  entre as cidades de Taubaté e Quiririm - era cercada de vizinhos: pequenos produtores também descendentes de italianos, como meus pais!
Pequenas propriedades - Agricultura familiar.








 Para viver do que a terra lhes provesse, tinham que colher a 
produção:  arroz, café, feijão ou milho. Mantê-la bem cuidada na tulha - quanto mais cheia melhor - e vendê-la aos poucos, até a próxima colheita. 

Todos sabemos dos riscos de perder a safra inteira, devido às intempéries.



Terreiro de secagem de grãos e a tulha ao fundo.
    Em qualquer país, a vida do
pequeno produtor rural sempre foi de sacrifícios e incertezas.   Ainda hoje, poucos contam com a ajuda dos governos.


    Assim, todo o comércio e demais serviços à disposição daquelas comunidades, dependiam do sucesso das colheitas!




Trabalho árduo dos "pequenos".
    Devido à proximidade dos sítios com as cidades, era frequente a visita de mascates, de origem judaica em sua maioria. Traziam às costas pesadas malas!  Sob um sol escaldante - vestindo terno e gravata - os "turcos", como eram chamados, caminhavam enormes distâncias para atender sua freguesia!  Minha mãe - excelente costureira - era uma de suas freguesas. Dentro daquelas malas tinha de tudo: cortes de tecidos, linhas, agulhas, zíperes, botões..."Gompra, gompra freguesa... Zalim facilita... zó paga no colheita", dizia o "turco"!


    Às vezes corríamos ao encontro deles, curiosos pelas novidades que certamente, trariam nas malas!




O  sacrifício do mascate.
    Aqueles personagens da minha infância - que no começo vinham à pé, depois de bicicleta; mais tarde de charrete...De repente desapareceram! Nunca mais ouvi falar dos "turcos"!


    Até que um dia - quando meu pai vendeu o sítio e nos mudamos para a cidade - encontrei as lojas do agora "sírio-libanês":  Mansur, Massud, Abud... 


    O sucesso daqueles incansáveis "mascates", serviu de estimulo e exemplo de dedicação ao trabalho, para a minha geração!


     "Querer ser bem sucedido sem trabalhar duro é como querer colher sem plantar". David Bly.


    "Para ser bem sucedido no trabalho, a primeira coisa a fazer é apaixonar-se por ele". Mary Laurette.

Um comentário:

  1. Muito bom!
    Também relembrei a minha infância.Meus avós maternos viviam em uma produtiva chácara, e...lá também passava um mascate.

    Parabéns!

    Angélica

    ResponderExcluir

Seu comentário é o que torna especial esta postagem. Enriquece sobremaneira o conteúdo!
Lembrando Saint Éxupery:"Aqueles que passam por nós, não vão sós. Não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós".
Obrigado pela visita!
Abraços!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. AVISO LEGAL Todos os direitos reservados. Esta coletânea de textos e imagens são propriedades do autor e estão protegidos por direitos de propriedade intelectual, que não podem ser utilizados em qualquer meio ou formato sem a autorização do autor. Vitorio Nani - 12/06/2010.