terça-feira, 18 de agosto de 2015

"Tempo de Glória"!

Imagem obtida aqui.

  Mal sobre suas pernas se postara vigoroso, fazia dos braços asas.

     Corria  desembestado campina abaixo, transpondo valas e cupinzeiros! Obcecado pelas alturas!


     A alma inquieta saltava de seus sonhos. Ganhava sustentação sobre colinas, vales e riachos!

     Por vezes, árvores frondosas escaladas com competência, lhe acrescia referência de altura e o frescor da brisa lhe secava o suor!

     Enchia a pleno de ar os pulmões. Contemplava o horizonte!  Fingia flutuar!

     Muito tempo depois, dotado de asas sintéticas feitas com ossos de tubos ocos e penugem sedosa, ganhou os céus!

     Tocou as nuvens. Sentiu-se ave. Venerou o Altíssimo!

     Extasiado, planava distraído, repetidamente!

     Porém, o tempo de glória também é efêmero!

     Agora, as paisagens esculpidas eternamente em sua memória, extrapolam os limites do seu corpo  frágil!

     Sua alma hoje aprisionada, liberta-se do confinamento compulsório de uma vida contemplativa, melancólica, e voa sob um céu metafísico!

     "Posso ir além quando adquiro a capacidade de voar como águia e sonhar feito  criança". Robson F. de Brito.

Publicado originalmente em Hangglidingparadise.com.br em 16 Ago 2015.

40 comentários:

  1. Lindo texto, Vitor!

    Para voar não são necessárias asas, basta-nos a força do pensamento e do sonho!

    Um grande abraço amigo.

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente contigo, Janita!
    Um forte abraço amigo!

    ResponderExcluir
  3. Belo texto! O poder da imaginação! E bem poderia ser uma homenagem ao nosso Santos Dumont, se já não é. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, João Antonio!
      Creio que Santos Dumont teve os mesmos sonhos quando criança!
      Gostei da sua lembrança! Fica valendo como uma homenagem a ele!
      Abraços!

      Excluir
  4. Olá meu querido amigo VitorNani, lembrei minha infância quando andava de árvore em árvore, onde elas eram aviões, naves, submarinos, ou esconderijos, pura diversão...mas lembrei também Ícaro solto pelos céus, as nuvens. Belo texto meu amigo, profundo, leve, criativo, poético.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Jair!
      Acho que nossas naves daquele tempo ainda são mais reais que as dos vídeo-games de hoje!
      Abraco!

      Excluir
  5. Hola Vitor, maravilloso texto. Un enorme abrazo.

    ResponderExcluir
  6. I love "fly like an eagle, dream like a child". Something to wish for.

    ResponderExcluir
  7. Welcome to the club, Bill!
    You are a great dreamer!
    This is living!

    ResponderExcluir
  8. Lindo, Vitor!!!!!!!!!! Ótima tarde!!!!!!! Abraços

    ResponderExcluir
  9. Oi Vítor,
    Eu prefiro voar nas asas da minha imaginação
    Já voei pra longe, quase morre de medo.
    Beijos
    Dorli









    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dorli!
      E que belos voos, você tem realizado!
      Beijos!

      Excluir
  10. Ninguém aprisiona a liberdade da nossa mente, nossa imaginação.
    Podemos voar até o último momento...
    beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E quando esse voo se realiza, tudo o que se espera é um pouso suave no Paraíso!
      Beijos!

      Excluir
  11. Sonhar feito criança; acho que esta aí a resposta para
    alguns entraves.
    Belo.
    Bom final de semana.
    Janicce.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Janicce!
      Bom final de semana!

      Excluir
  12. UN TEXTO QUE INVITA A VOLAR.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ciertamente, Reltih, la idea es esta!
      Abrazos!

      Excluir
  13. Voar... o eterno sonho de toda a gente.

    ResponderExcluir
  14. Voamos aqui, te lendo! Lindo! Adorei! abraços,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, que você gostou de voar comigo, Chica!
      Abraços!

      Excluir
  15. O importante é ser livre!

    abraços e excelente semana ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E que nunca ninguém nos aprisione, Fernanda!
      Abraços e uma semana excelente a você também.

      Excluir
  16. Oi querida que lindo este texto que nos faz "voar" por nossos sonhos...A liberdade de sonhar e ser feliz com nossas escolhas.
    Boa semana e bjks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem liberdade não se pode voar. Nem em sonhos, Lia!
      Beijos e boa semana!

      Excluir
  17. Olá Vitor!
    Lendo o texto já me sentir voando. Uma coisa que ninguém pode tocar é a nossa imaginação, nossos voos imaginários. Como é bom sonhar né Vitor? A gente se liberta. Um beijo e ótimo dia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mesmo o voo imaginário, pode nos levar a sentir a sensação de êxtase!
      Um beijo e ótimo dia!

      Excluir
  18. Viendo al niño en el arbo,. he recordado mi infancia. Jasmás conseguí subir a un arbol, me daba tanto miedo no poder bajar...
    Me gustó este post.
    Un abrazo desde la distancia.

    ResponderExcluir
  19. Oi Vitor
    Saudades
    Beijos no coração
    DorliRamos

    ResponderExcluir
  20. É importante a liberdade que nos permite voar e manter, sempre os nossos sonhos.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a coisa mais importante, Élys!
      Abraços!

      Excluir
  21. Cada momento deve ser eterno.

    A vida fugaz puxa-nos nessa direção.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  22. UN TEMA QUE IMPULSA A SEGUIR!!
    ABRAZOS

    ResponderExcluir

Seu comentário é o que torna especial esta postagem. Enriquece sobremaneira o conteúdo!
Lembrando Saint Éxupery:"Aqueles que passam por nós, não vão sós. Não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós".
Obrigado pela visita!
Abraços!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. AVISO LEGAL Todos os direitos reservados. Esta coletânea de textos e imagens são propriedades do autor e estão protegidos por direitos de propriedade intelectual, que não podem ser utilizados em qualquer meio ou formato sem a autorização do autor. Vitorio Nani - 12/06/2010.