segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Suave Passamento.

         
Imagem daqui




    Este é o livro que através de um dos meus filhos me veio às mãos. Li e recomendo.

    A autora do livro é a Doutora Ana Claudia Quintana Arantes, médica especializada em Tratamentos Paliativos em hospitais de São Paulo.

    Através de uma narrativa suave e muito verdadeira, ela expõe com clareza as dificuldades que todos nós temos, inclusive ela no início da sua profissão, de tratar de um  assunto evitado por muitos, a morte.

     Enquanto eu lia, lembrava-me  de um acontecimento:

    Aos sete anos de idade, assisti à morte do nosso vizinho de oitenta e nove anos - o "nono" como era chamado por todos. Meu pai o segurava nos braços! Aos  poucos, com serenidade, a respiração do "nono Botossi" foi diminuindo até não mais inspirar! Nunca mais esqueci aqueles instantes!

    A Doutora Ana Claudia converte  os momentos temerosos da morte, na mais sublime experiência humana! Eis alguns trechos do seu livro:

     " ...Não há como entrarmos em sintonia se não estivermos morrendo também. Somos capazes de entrar em sintonia com as emoções do outro e até de modificá-las, mas, no processo de morte, essa mágica deixa de ser possível: ele se iniciou e vai terminar. Seja na UTI, na enfermaria ou em casa; a morte não escolhe lugar.

     Acompanhar alguém nesse momento é a experiência mais íntima que podemos experimentar junto a outro ser humano. Nada pode ser mais íntimo do que compartilhar com alguém o processo ativo de morrer. Nem sexo, nem beijo, nem confidências. Naquele momento, buscaremos o sentido de estar ao lado de quem está morrendo; quem está morrendo buscará o sentido de estar ali; virão
questionamentos dos pesos, dos fardos, dos medos, das culpas, das verdades, das ilusões. Tudo ali, exposto de um jeito verdadeiramente nu.

     A pessoa que morre está nua, liberta de todas as vestes físicas, emocionais, sociais, familiares e espirituais. E, por estar nua, consegue nos ver da mesma forma. As pessoas que estão morrendo desenvolvem uma habilidade única de ver. Estar ao lado de quem está morrendo é desnudar-se também...

     ...Quando dizemos que nos sentimos plenos é porque estamos com o pensamento, o sentimento, a atitude e o corpo, todos juntos, no mesmo lugar, ao mesmo tempo.

     Estar ao lado de alguém que se aproxima da morte pode ser um momento de plenitude na nossa vida, algo que ocorre rápida e fugazmente.

     A morte, do outro ou nossa, será uma rara, ou até única, experiência de estarmos verdadeiramente presentes na nossa vida..."

                                              Saiba mais assistindo ao vídeo!



   " Visto que nossa vida começa e termina com a necessidade de afeto e cuidados, não seria sensato praticarmos a compaixão e o amor ao próximo enquanto podemos? Dalai Lama.

35 comentários:

  1. Boa Noite
    Vi bordar um recadinho aqui no seu cantinho desejando a você e sua família uma semana abençoada! Gostei demais deste post por que fala leitura!
    Quero me desculpar pela ausência, estou trabalhando bastante com as encomendas de fim de ano e empenhada no projeto que tenho em uma praça do meu bairro, dá pra acompanhar pelas minhas redes sociais:
    ♥ Blog| Hilda's Bordados ♥
    ♥ Página no Facebook| Hilda's Bordados ♥
    ♥You Tube| Hilda's Bordados ♥
    Beijos no ♥

    ResponderExcluir
  2. Olá Victor! Sim, a espera da morte é uma entrega total, ficamos nus...
    E diante do ocorrido, a tragédia com o pessoal de Chapecó e tripulantes (pessoas morrem todos dias de forma trágica, mas ficamos mais sensibilizados nestes casos) fico pensando o quanto é triste partir sem ter a oportunidade de ficar nu, se mostrar nu...um fim sem fim.
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Dalva!
      No livro fica bem claro que mesmo as pessoas que morrem subitamente, vivem os instantes de nudez.
      Eu nunca li algo parecido com o que a Dra Claudia descreve!
      Um grande abraço!

      Excluir
    2. Victor, tentarei ler este livro, valeu! Beijos!

      Excluir
  3. Ah..., Victor, passei por essa experiência com meus pais, os dois. É um desnudamento, não tem dúvida, mas terrível, nos sentimos impotentes, frágeis como nunca visto, abandonados pela vida. Experiência que não dá para esquecer, jamais. Fui vendo meu pai enfraquecendo a respiração e numa fração de segundos mudar de cor - sim, num piscar de olhos tudo acabou; acabou. Vi o título do livro e me assustei, não, não vale a pena, meu amigo. É muito traumático para quem está junto. E para os que se vão, muito menos, estão sem consciência. Lembro que eu chamava meu pai ao ouvido, com a esperança de voltar, de não ir... Tudo em vão. É ali que surgem todas as perguntas possíveis, e nenhuma resposta. Naquele momento não.

    Beijo, amigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Tais!
      Eu já perdi meus pais, grandes amigos, e também achei o título do livro meio estranho, mas quando comecei a lê-lo, fiquei surpreso e até triste quando chegou ao final. É muito bom! Encontrei muitas respostas às minhas dúvidas!
      Beijo, amiga!

      Excluir
  4. Vitor, assisti a todas as palestras que encontrei no youtube da Dra Ana Claudia e recentemente participei de um bate-papo online com ela. O livro ainda não adquiri, mas o farei brevemente. É um assunto tão necessário do qual tanto fugimos. Que bom que você o abordou tão bem aqui!
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Paula!
      Respondo a você, como respondi à Tais!
      Obrigado pelo comentário!
      Abraço!

      Excluir
  5. Fiquei muito sensibilizada e emocionada com a partilha. Concordo com a doutora. Estive ao lado da minha avó querida, pelo lado paterno, tinha apenas 15 anos. Nunca esquecerei. Não foi traumático.
    Hoje, aproveito para deixar um abraço solidário pela tragédia que vos atingiu.
    Bjo, amigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Odete!
      A leitura do livro me esclareceu muito a respeito da nossa finitude!
      Acho que aquela tragédia estava nos planos do Supremo, pois haviam mais dois aviões também com emergência!
      Beijo, amiga!

      Excluir
  6. Verei o Youtube as palestras e depois procurarei o livro.
    Talvez resolva comprar depois da sua réplica.
    bjs!

    ResponderExcluir
  7. Muito bom os comentários! Espero ler o livro em breve. O tema algo tão certo, mas que queremos sempre distante. Mas acredito que para que a morte não pese tanto, e não seja vergonhosa a nossa nudez, temos que cuidar bem de nossas vidas, resolvendo todos os problemas da forma que podemos, sem peso na consciência. Fazer aos outros somente o que podemos e nunca esperar nada em troca, vivermos livres de preconceitos, e pré-conceitos. Assim a morte fica mais fácil de ser encarada! Assim eu penso! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Claudia!
      Creio que quando a morte é inevitável, seja para o bondoso, correto, santo ou velhaco, esse é o momento no qual o protagonista é verdadeiro, sem máscara, sem fantasia! Daí, concordo contigo quanto ao tipo de vida escolhida pela pessoa. Assim, a morte fica mais fácil de "ser vivida"!
      Beijos!

      Excluir
  8. Não é nada fácil encarar a morte.
    A menos que a idade já a tenha convertido numa coisa mais fácil e até libertadora.
    Bom fim de semana, caro amigo.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Com certeza, amigo Jaime!
    Abraço e boa semana!

    ResponderExcluir
  10. Concordo com o Jaime que não é fácil encarar a morte, mas para mim tudo depende das circunstâncias.
    Há situações em vida tão complicadas, dolorosas e sem solução possível, para esses casos a morte seria um alivio. A vida é uma bênção, mas a morte também o pode ser.
    Obrigado pela dica.
    Um grande abraço
    Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por isso é muito importante viver a vida em toda a sua plenitude!
      Abraços, Maria!

      Excluir
  11. Voltei para ver as novidades.
    Aproveito para lhe desejar um bom fim de semana.
    Um abraço, caro amigo Vitório.

    ResponderExcluir
  12. Oi Vitório,
    Não tenho boas lembranças da morte da minha mãe, foi horrível, ela não queria morrer, minhas carne doíam de vê-la naquele terrível estado de transição, dois dias após sua morte tinha um concurso para fazer. Apesar de nunca reprovar em concursos, dava-se a impressão que queriam que eu reprovasse. Baixei a cabeça e fiz tudo e passei.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Creio que todos nós já tivemos histórias semelhantes relacionadas a esse assunto!
      Beijos!

      Excluir
  13. Meu querido amigo Vitorio Nani, já li algumas vezes este post e tendo muito de falar, me calei, não consegui, hoje mias calmo e medicado rs posso opinar ou testemunhar este livro , que não li, mas me abriu uma vontade, por hora teu post supre minha curiosidade...falo da morte há muito tempo nos meus post, uma morte abstrata que que não me mato nunca rs(graças a Deus), mas vivi isso com o fim de meu pai, onde a palavra desnudar foi empírica, meu pai em coma em casa, nós mudávamos ele, chamávamos de bebê , mas vai muito mais além que trocar a fralda, como dizes a escritora :"A morte, do outro ou nossa, será uma rara, ou até única, experiência de estarmos verdadeiramente presentes na nossa vida...". Obrigado amigo por compartilhar tão meu, tão pensativo post. ótimo post.
    ps. Carinho respeito e abraço e obrigado pelas visitas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade, amigo Jair, eu transcrevi apenas o mínimo para dar uma ideia do quanto tem o livro de ricas informações sobre esse delicado tema!
      Forte abraço!

      Excluir
  14. Caro amigo, desejo-lhe uma Feliz quadra Natalícia.
    Para você e para os que mais ama.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que você e toda a sua família sejam muito felizes também, Jaime!
      Abraços!

      Excluir
  15. Olá, Victor, meu querido amigo!

    "Quem sai aos seus não degenera", se diz por cá e a "tradição" está se fazendo e continuando por aí. Parabéns!

    É um tema, que dificilmente conseguimos abordar, de ânimo leve, mas a morte existe, tal como o nascimento com vida. Já lidei com alguns casos, de perto, e nesse momento, "deixo" de ser eu, para passar a ser também o outro. Tento colocar o manto, o tal manto de que sua filha, Ana Cláudia, fala, pra proteger quem está sofrendo e talvez venha a morrer, do que propriamente a mim, pois eu um dia tb partirei.

    Temos de fazer ver, de ajudar as pessoas que estão doentes e seus familiares, também, de diversas formas, e cada caso é um caso. Trabalhar o aspeto emocional é, sem dúvida, a tarefa mais importante e benéfica nesse processo.

    Vivamos cada dia com a intensidade máxima, possível, pke um dia, todos iremos pra outra dimensão. Sou contra a eutanásia, mas sou a favor da proteção, da ajuda e acompanhamento até ao dia derradeiro. Nesse dia, estarei lá!

    DESEJO A VOCÊ E FAMÍLIA UM NATAL DE AMOR E UM ANO NOVO VENTUROSO.

    Beijos e um abraço bem especial pra você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida amiga Céu!
      Realmente, esse seu pensamento completa dignamente esta postagem que achei relevante abordar.
      Ainda temos muito que aprender e entender o significado de viver o momento da morte!
      Desejo a você e toda a sua família os melhores votos de BOAS FESTAS, FELIZ NATAL E EXCELENTE ANO NOVO!
      Beijos e forte abraço!

      Excluir
  16. Boa noite Victor!
    Não sei lidar com esse sentimento, mesmo depois de tantas perdas e mais perdas.... Perdi meus pai e minha mãe num prazo apenas de 6 meses. Dois anos depois perdi meu sobrinho num acidente de moto terrível. Nunca achava que a morte chegaria assim. Estamos aqui por alguma razão, apenas de passagem, mais nunca saberemos que horas será nossa partida. Então, que a vida seja bela e bem vivida dia após dia.
    Estive bastante ausente do blog, mais não poderia deixar que o ano terminasse sem passar aqui pra deixar meu carinho e meus agradecimentos por termos caminhado juntamente pelo menos um pouco durante esse ano de 2016 nessa blogosfera. O meu muito obrigado!
    Que o menino Jesus esteja sempre presente na sua vida.
    Desejo a você e à sua família um Natal de Luz e um próspero Ano Novo
    Repleto de alegrias e bênçãos!
    Boas Festas!
    Feliz Natal!
    Feliz 2017!
    Abração!
    Blog da Smareis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela carinhosa visita, Smareis!
      Retribuo duplamente, seus desejos pelas Festas Natalinas!
      Abraços a você e a toda sua família!

      Excluir
  17. Victor, hoje venho especialmente para desejar um Natal muito Feliz e um Ano Novo pleno de sonhos realizados, alegrias constantes, excelente saúde, e incontáveis momentos felizes.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Maria, que seu Natal e Ano Novo sejam repletos de felicidade e esperança!
      Beijos!

      Excluir
    2. Voltei para ver as novidades.
      Mas aproveito para lhe apresentar os meus votos de um FELIZ NATAL e de um BOM ANO NOVO, caro amigo Vitório.
      Um abraço.

      Excluir
  18. Querido amigo Victor, passando para lhe desejar uma linda noite de Natal com sua família e um 2017 com muita paz e amor junto à sua família! Agradeço também, o carinho de suas visitas no ano que se despede.
    Até o ano que vem, Victor!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  19. Amigo:
    venho deixar os meus votos de uma ótima quadra natalícia e que no novo ano tenhas sempre presente a palavra ESPERANÇA!
    Este ano será única, esta quadra, pois, por estes dias, nascerá o nosso primeiro netinho.
    Bjo, com apreço :)

    ResponderExcluir
  20. Feliz Navidad!!! y los mejores deseos para el Año 2017. Saludos

    ResponderExcluir
  21. Olá! Estou passando aqui para bordar um Feliz natal e um ano novo cheio de realizações para você e toda a sua família e deixar uma mensagem de carinho e reflexão:
    “Natal tem tudo a ver com amor. É a época do ano em que nossos corações estão mais receptivos e harmoniosos e nossas esperanças são renovadas.”
    Que neste ano de 2017 possamos continuar com nossa amizade e compartilhando trabalhos, ideias e que tenhamos muito sucesso!
    ♥Hilda's Bordados♥

    ResponderExcluir

Seu comentário é o que torna especial esta postagem. Enriquece sobremaneira o conteúdo!
Lembrando Saint Éxupery:"Aqueles que passam por nós, não vão sós. Não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós".
Obrigado pela visita!
Abraços!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. AVISO LEGAL Todos os direitos reservados. Esta coletânea de textos e imagens são propriedades do autor e estão protegidos por direitos de propriedade intelectual, que não podem ser utilizados em qualquer meio ou formato sem a autorização do autor. Vitorio Nani - 12/06/2010.